Rio de Janeiro

Ficha Técnica

Área do terreno
3.500,00 m²
Área construída
600,00 m²
Conclusão
1991

Projeto

Arquitetura
Cláudio Bernardes & Jacobsen Arquitetura
Equipe
Cláudio Bernardes, Paulo Jacobsen, Miguel Pinto Guimarães, Thiago Bernardes
Paisagismo
CAP, Fernando Chacel, Sidney Linhares
Fotos
Leonardo Finotti
1989_residencia_ws_2
1989_residencia_ws_4
1989_residencia_ws_3
1989_residencia_ws_5
1989_residencia_ws_6
1989_residencia_ws_7
1989_residencia_ws_8

Esta casa foi um rompimento com a “caretice”. Por ser encomenda de um artista, o projeto se desenvolveu livre de programa rígido, sem amarras, tendo como orientação única a vista para as ilhas Cagarras.

Situada no topo de um morro, em espaço muito irregular, exigia um desenvolvimento que expandisse a área plana. Criou-se, então, uma ampla laje de concreto, um jardim suspenso, todo gramado, ao longo do qual emergem, de pequenas aberturas, as árvores do terreno original coberto. Sustentada por poucos pilares e tendo a piscina como espécie de âncora, a laje serve também de teto para um auditório e um estúdio subterrâneos – solução, à época, comumente aplicada a prédios, mas rara em casas.

Com piso em madeira clara e, de resto, toda em aço, a casa não pretende esconder a sua estrutura. Vazada para todos os lados, multiplicando o branco que lhe dá cor, não estabelece hierarquia entre a sala e a varanda, que, contígua à piscina, confunde-se com o espelho d’água e expande a noção de diálogo, de integração. Para reforçar esta impressão de continuidade e de leveza, o teto móvel, cume de um notável pé-direito, como um grande brise-soleil, abre-se para a luz e faz ver a copa das árvores, lançando a varanda para dentro do jardim.

1989_residencia_ws_implantacao
1989_residencia_ws_pavto_terreo
1989_residencia_ws_pavto_superior
1989_residencia_ws_corte